A madeleine de Proust – Parte I

04.05.2012

O escritor francês Marcel Proust atribuiu ao paladar e ao olfato a função de “convocar o passado”. Foram as madeleines, bolinhos em formato de concha, e uma xícara de chá que ativaram as reminiscências de um escritor frustrado.  Segundo Proust, depois de saborear esse singelo lanche  surgiu o romance “Em busca do tempo perdido”. Editado em sete volumes, é considerado um dos principais clássicos da história da literatura. Neste edição da coluna Suspiro, a editora Mariana Moraes separou o trecho onde o autor relata em detalhes a experiência que lhe rendeu uma nova perspectiva sobre sua vida e seu trabalho.  Publicado entre os anos de 1913 e 1927.  O primeiro da série foi No caminho de Swann, onde Proust revela sua fonte de inspiração.

O sabor faz o narrador-protagonista reviver a infância passada em Combray. Tudo que ficara escondido pela memória já na fase adulta foi reencontrado e vivenciado. É  como se o chá fosse a passagem para encontrar a cidade e os personagens que fizeram parte de sua infância. O trecho será publicado em duas partes.

Confira a primeira parte do fragmento:

(…) É assim com o nosso passado. Trabalho perdido procurar evocá-lo, todos os esforços da nossa inteligência permanecem inúteis. Está ele oculto, fora de seu domínio e do seu alcance, nalgum objeto material (na sensação que nos daria esse objeto material) que nós nem suspeitamos. Esse objeto, só de acaso depende que o encontremos antes de morrer, ou que não encontremos nunca.

Muitos anos fazia que, de Combray, tudo quanto não fosse o teatro e o drama do meu deitar não mais existia para mim, quando, por um dia inverno, ao voltar para casa, vendo minha mãe que eu tinha frio, ofereceu-me chá, coisa que era contra os meus hábitos. A princípio recusei, mas, não sei por quê, terminei
aceitando. Ela mandou buscar um desses bolinhos pequenos e cheios chamados madalenas e que parecem moldados com aquele triste dia e a perspectiva de mais um dia tão sombrio como o primeiro, levei aos lábios uma colherada de chá onde deixara amolecer um pedaço de madalena.

Mas no mesmo instante em que aquele gole, de envolta com as migalhas do bolo, tocou o meu paladar, estremeci, atento ao que se passava de extraordinário em mim. Invadira-me um prazer delicioso, isolado, sem noção da sua causa. Esse prazer logo me tornara indiferentes as vicissitudes da vida, inofensivos os seus desastres, ilusória a sua brevidade, tal como o faz o amor, enchendo-me de uma preciosa essência: ou antes, essa essência não estava em mim; era eu mesmo. Cessava de me sentir medíocre, contingente, mortal.

De onde me teria vindo aquela poderosa alegria? Senti que estava ligado ao gosto do chá e do bolo, mas que o ultrapassava infinitamente e não devia ser da mesma natureza. De onde vinha? Que significava? Onde aprendê-la? Bebo um segundo gole em que não encontro nada demais que no primeiro, um terceiro que me traz um pouco menos que o segundo. É tempo de parar, parece que está diminuindo a virtude da bebida. É claro que a verdade que procuro não está nela, mas em mim.

A bebida a despertou, mas não a conhece, e só o que pode fazer é repetir indefinidamente, cada vez com menos força, esse mesmo testemunho que não sei interpretar e que quero tornar a solicitar-lhe daqui a um instante e encontrar intacto à minha disposição, para um esclarecimento decisivo. Deponho a taça e volto-me para o meu espírito. É a ele que compete achar a verdade. Mas como? Grave incerteza todas as vezes em que o espírito se sente ultrapassado por si mesmo, quando ele, o explorador, é ao mesmo tempo o país obscuro a explorar e onde todo o seu equipamento de nada lhe servirá. Explorar? Não apenas explorar: criar. Está em face de qualquer coisa que ainda não existe e a que só ele pode dar realidade e fazer entrar na sua luz. (…)

 Parte II

Livro: No Caminho de Swann – Trecho extraído do Capítulo  I Combray

Autor: Marcel Proust; tradução de Mário Quintana

Editora: Abril Cultural

Página: 31

Ano: 1982

 

Seleção por Mariana Moraes